terça-feira, 12 de abril de 2011

Sou criança


Ele acordou, cheio de energia, pegou seu carrinho com linha amarrada na ponta e começou sua viagem:
Uma estrada repleta de desafios, todos intransponíveis, mas para ele não: afinal seu carro é o mais possante e incrível que existe. Monstros assustadores e coloridos enfileirados não são nada diante do bólido que  dispara pela sala. Derrubou-os um a um sem medo. Riu do perigo: faceiro pela façanha, orgulhoso pelos obstáculos vencidos. Logo enjoou da aventura e partiu pra outra. Deitou-se no chão apanhou um palito de sorvete e se transformou num pesquisador da vida selvagem. Formigas fazem fila e se amontoam no pirulito deixado na noite anterior. Sem problema: com seu apetrecho de exploração começou a festa. Seres minúsculos debandaram pra todo lado, correndo assustados diante do gigante que se aproxima. A brincadeira logo perde a graça: picada no dedo não vale, dói e isso não é legal. Sem perder o pique, logo enxerga um punhado de figurinhas amassadas por algazarras anteriores. Viram, instantaneamente, notas de um dinheiro que pode comprar tudo. Prédios de madeira, carros de fórmula 1, postos de gasolina, foguetes, baratas... opa! Aquele bichinho novo não estava ali. Interrupção: A seção de tortura já vai começar. Carrinho na mão, atropelamento na certa. A danada, ligeira como só, dispara e não quer conversa com as perversidades.
Sem problema, caixa de brinquedos vazia: tudo esparramado pelo chão. Opção não falta. Para por um minuto, olha atentamente a sua volta, como que maquinando novas traquinagens. Tudo ali perde o interesse: o foco agora é o armário da cozinha. Panelas barulhentas e vasilhas de plástico coloridas são muito mais convidativas. Colher de pau na mão. Sentem-se os convidados: já vai começar abatucada. Uma sinfonia de barulhos ensurdecedores que aos seus ouvidos soam como música clássica. Sua carinha de felicidade batendo desenfreada e amalucadamente dá gosto de ver. Até de ouvir.
Esta criança mora aqui dentro e sempre que preciso de coragem pra enfrentar as coisas de adulto, me curvo diante de toda sua sabedoria e ouço atento o que ela tem a me dizer. Funciona.

3 comentários:

Carmen Regina Dias disse...

Seu lindo!

besitos bem gostosos nessa bochechinha lindaaaaa!!!

Shiva baby, o poeta na alma.

celia disse...

As crianças tem esse dom de deixar tudo a sua volta mais barulhento e feliz! Tive o prazer de vivenciar esse momento por duas vzs na minha vida!
Momentos q passam rapidinho e q temos q aproveitar ao máximo enquanto podemos!

Patricia Mendonça disse...

Lindo demais!