quinta-feira, 5 de agosto de 2010

O frio


Uns tomam vinho, outros nem água.
Uns comem queijo, outros nem pão.

Uns vestem pele, outros pelados.
Uns fervem, outros tremem.

Uns curtem, outros choram.
Uns dormem aquecidos, outros na calçada.

Uns bem se vestem, outros nem se vestem.
Uns se cobrem, outros se encolhem.

Uns riem na noite, outros imploram que ela acabe.
Uns se divertem, outros se deprimem.

Uns morrem de amor, outros de frio.
O frio é assim: injusto e desigual.

3 comentários:

Dinho disse...

Esse comentario vale para esse poema a principio: Muito bacana, voce e muito talentoso, se possivel visite meu blog: http://palavrassoltas-dinho.blogspot.com/

e leia o poema "Sargeta".E tambem gostei muito de outros tantos textos que li! Parabens!

gill disse...

Lindo seu poema. Desejo bons frios amor p vc. Gosto de tudo q vc escreve. Encantada!

gill disse...

Frios de amor, aquele que dá na barriga rsrs