terça-feira, 10 de agosto de 2010

Espero


Vivo sempre esperando:

Espero o ônibus lotado de gente que espera.
Espero o que o amanhã me reserva sem esperança.

Espero o sinal que não abre pra correr dos que pedem.
Espero a morte que se aproxima apressada.

Espero o tempo que passa e não deixa saudade.
Espero que meu time, que perde, seja campeão.

Espero meu filho nove meses e a vida toda.
Espero o Carnaval logo depois da quarta-feira de cinzas.

Espero, em vão, que o político cumpra o prometido.
Espero, espero, espero... Que desespero!

Espero que alguém esteja lendo as bobagens que escrevo.
Espero que tanta espera sirva pra alguma coisa.

Sinceramente, espero.

3 comentários:

Danilo M. M. disse...

Podemos ficar a parte, mas sempre chega um tempo que a única solução é colocar a vida em movimento.

Por mais que doa, é preciso dar um passo para fora daqui, voltar a caminhar.

Talitta Gil disse...

Nossa Beto, é lindo, admiro o jeito que voçe escreve... é profundo, barbaro, é ótimo. Um abraço.

Renan O. Pacheco disse...

Pros vascaínos, isso ta cada vez mais difícil: "Espero que meu time, que perde, seja campeão."

Gostei do poema.