domingo, 4 de julho de 2010

Loucura


Loucura

Minha insanidade perturba
louco seria se me levasse a sério
delírios, pensamentos inquietos
uma cabeça, um grande mistério

Penso, logo insisto e desisto
saber que sei é o que me conflita
viver e sentir é melhor que saber
sem saber, sinto minha alma aflita

Olho, deformo o que vejo
transpiro um suor de indagações
melodias, transformo o que ouço
meus sentidos são aberrações

Invejo os débeis que só vivem
os animais que por instinto se guiam
sou um monte de coisa nenhuma
meus conflitos me limitam

Quero asas, garras e penas
voar poderia se me libertasse
fico preso com os pés concretados
livre seria se meu pensamento voasse

O insano se diverte rindo atoa
reprimido, me sinto importante
que bobagem me sentir maior
melhor seria se pensasse adiante

A loucura em si se completa
em sua plenitude tudo permite
se me pego em delírios me reprimo
esqueço o louco que em mim existe

6 comentários:

Tati Casuz disse...

Adorei! Acabei de me sentir um pouco a sua poesia!!!

Anônimo disse...

adorei tmb, perfeito d ++++, me senti dentro do seu texto, vc tem livro????

*Simone Poesias* disse...

Muito bom seu poema.
Entender a gente mesmo, é difícil, e com certeza causa um grande conflito. E nem sempre a "viagem" interior é satisfatória, porque muitas das vezes não nos aceitamos.
Parabéns!

Bjos

*Simone*

Fernanda Franccí disse...

LEIO LOGO EXISTO!!!

Fênix disse...

Gostei, você consegui traduzir em palavras aquilo que muitas vezes sinto e não sei interpretar. Parabéns isso é um grande dom . Continue a escrever .

Angélica Lins disse...

Gostei demais da tua escrita.
Vou acompanhar aqui e pelo twitter.
Abraço!
=)