terça-feira, 5 de julho de 2011

Uma ficção de mim.



Inventei-me quando me dei conta de mim. Inventei um jeito de ser, de ver e principalmente de sentir o mundo.  Não escolhi o cenário, nem os personagens que contracenaram comigo. No meu enredo, achei que fosse o protagonista. Um engano que me custou um choque de realidade: sou apenas um figurante de minha própria história. O roteiro que escrevi pra mim, sofreu tantas alterações, que nem sei mais a quem atribuir a autoria. Pouco importa, pra que me preocupar com os créditos desta história, se nem sei se subirão ao final do filme?  Nesta ficção: sonhei, idealizei, esperei, desesperei e cheguei a conclusões tão confusas que nem poderiam receber este nome. Na verdade são inconclusas. Pensei que fosse encenar uma aventura, cheia de drama com pitadas de comédia. Vi tudo se transformando num drama cheio de comédia com pitadas de aventura. Mas acho que tudo vai terminar numa grande comédia cheia de drama e sem nenhuma aventura. Entende minha dificuldade em finalizar esta ficção? Estou pra lá da metade das gravações e nem imagino o nome que darei para esta história maluca, se é que darei algum nome. Sempre que me sento para rever o que já foi feito, chamando minhas lembranças, vejo um material bruto, sem edições nem cortes. A finalização será complicada. Expectadores? Sei exatamente quem assistirá: eu, só eu. Uma plateia solitária, aplaudindo, vaiando, rindo e chorando. Se me frustro com tal fracasso de bilheteria? Claro que não: afinal de contas, criei, roteirizei, encenei, gravei, editei e lá estarei todo arrumado, bem vestido e cheiroso para a estreia desta ficção de mim: uma história inventada e baseada em fatos reais e imaginários que só agora ganha título pouco pomposo, mas muito significativo: Minha Vida.

7 comentários:

Joana disse...

brilhante! sem palavras...

BrunaMia disse...

Maravilhoso! Inspirador mesmo! Sabe, o que sinto estava neste poema. Estou numa fase da vida que me perdi em mim...preciso encontrar minha essência, mas está tudo tão confuso que fico desesperada rsrs

Car disse...

Olá! estou seguindo seu blog e sigo seu twitter como @Carolzona. Se quiser visitar o meu, fico contente!
http://carolsilvablog.blogspot.com
Twitter: @carolsilvablog

Lá você encontrará tudo que eu escrevo. Tenho um outro blog, que pode ser acessado deste, mas creio que não seja o seu estilo (porque é voltado aos adolescentes). Parabéns pelo seu espaço!


Sucesso!

Carol Silva disse...

Olá! estou seguindo seu blog e sigo seu twitter como @Carolzona. Se quiser visitar o meu, fico contente!
http://carolsilvablog.blogspot.com
Twitter: @carolsilvablog

Lá você encontrará tudo que eu escrevo. Tenho um outro blog, que pode ser acessado deste, mas creio que não seja o seu estilo (porque é voltado aos adolescentes). Parabéns pelo seu espaço!


Sucesso!

------ disse...

Per-fei-to!! Como sempre. Parabéns!!! Chrys Capelli

------ disse...

Per-fei-to!! Como sempre. Parabéns!!! Chrys Capelli

Célia disse...

As vezes me pego observando meu filme também. Ainda não sei o papel que me foi destinado. O que sei é que me sinto perdida sem saber que final será escrito para esta história. Também estou mais ou menos na metade e o que vi, foi muito bem encenado, porém, em alguns momentos, acho que deveria ter dramatizado de outra forma...Enfim...como vc diz, não sou protagonista. Acho que o roteiro também não nos permite mudar nada. A história já vem escrita e deve ser contracenada tal como ela é!
Texto maravilhoso!
Nos encontraremos no gran final! bjosssssssss