sábado, 2 de abril de 2011

Rumo à Terra do Nada


Destino incerto e surpreendente,

que me arremessou em sua direção,

que me fez perder o norte

e me sacudiu feito furacão.



Mestre da vida, levado e sorrateiro,

que me fez esquecer quem sou,

na ânsia de ter você por perto,

mexeu forte e pro nada me levou.



Destino arrebatador

que, sem pena, destrói meu mito,

foi me dando asas para pairar,

feito Ícaro voando ao infinito.



Vento que me arrasta pra longe,

lá vou eu, rumo à Terra do Nada.

Achando que estivesse perdido,

me achei nos braços da amada.

Nenhum comentário: