quinta-feira, 14 de abril de 2011

Nossa sintonia


Olhava o objeto inerte repousado numa prateleira. Desenho antigo, formas ultrapassadas: nada novo.
Mas algo me dizia que voltaria à vida se a energia voltasse a correr por seus fios.
Circuitos carcomidos, peças inativas e uma poeira que se arraigava no seu íntimo.
Feito peça de museu, descansava sereno, cercado por cacarecos inanimados.
Num sopro de vida, ressurgiu com seus chiados, depois de ser alimentado com a força da tomada. Desprezado, até então, pelos avanços modernos, aquele rádio parecia radiante frente à chance de falar novamente.
E assim se deu: um som de nostalgia invadiu todo aquele ambiente quieto. Seus botões enferrujados voltaram a girar à procura de ondas que se transformariam em música. Busquei uma sintonia fina, delicadamente, nas pontas dos dedos. Aquele magnetismo invisível entrava antena à dentro e decodificado se mutava em melodias.
Podia sentir suas veias pulsando novamente: feliz por tal ato generoso.

Aquilo me fez pensar: como somos parecidos com aquele rádio velho que só precisou de um gesto para voltar à vida.
Somos antenas vivas que partilham a mesma busca por uma sintonia que nos preencha e nos complete. Olhamos sempre em volta e nos indagamos: Será que já encontramos o par que nos fará sentir tal sintonia vital? Uma energia circulante que nos invade por inteiro e move-nos a enfrentar os chiados barulhentos que nos atordoam.
Talvez paremos de funcionar um dia sem experimentarmos está sensação sublime de plenitude.
Talvez a busca pela sintonia ideal seja mais interessante do que realmente encontrá-la: se é que ela existe.
O mais certo é que nesta epopéia desbravadora, acho que me esbarrei com alguém na mesma trajetória inglória.
Nossos pensamentos se cruzaram e se distanciaram sempre na mesma sintonia: algo raro, mas absolutamente possível. Nossa jornada, desde então, tem sido um misto de chiados e melodias: mas todos em perfeita harmonia.
Como aquele rádio encostado: voltei a me sentir vivo.
Pronto para muita música.

7 comentários:

Valéria Ferreira Bernardo disse...

Q lindo texto poeta.Bj

Raquel Ribeiro disse...

Belo Texto, amigo blogueiro!
Te sigo no twitter, te sigo no blog.
Sucesso!

http://raquellribeiro.blogspot.com/

Van disse...

Quando sintonizados assim, de longe se ouve a música completa dentro de nós.

Texto lindo!

Se desejar conhecer o meu blog e seguir-me também será um prazer

A. Tavares disse...

Ah meu querido..
passei tanto tempo sem escutar uma música..
que quando escutei, senti a vida renascer em mim

celia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
celia disse...

É amigo...basta um gesto de carinho e atenção para q nos sintamos vivos novamente..pq tem momentos na vida q nos sentimos mortos...sozinhos e insignificantes! Só q de repente, alguém lembra de nos colocar na tomada, tal qual o rádio antigo...e eis q a vida retorna! rsrs..belo texto!

lagatalisa disse...

Eu gosto da música que seu rádio toca! :)Um beijo!